Sala Premium: 50 dos Melhores Vinhos de Portugal

A Sala Premium é uma oportunidade única para provar alguns dos melhores vinhos de Portugal. A próxima edição acontece no dia 1 de Dezembro em Lisboa no Adegga WineMarket Lisboa 2017.

A lista de vinhos da Sala Premium inclui vinhos únicos, raros, topos de gama e vinhos do Porto e Madeira antigos que fomos provando, descobrindo e tomando nota ao longo do último ano para agora os podermos colocar nesta prova exclusiva e irrepetível. Alguns vinhos estão disponíveis em Magnum, Double Magnum e Jeroboam.

Na Sala Premium poderá provar todos os vinhos especiais pelo menos uma vez. A prova é acompanhada por uma equipa de sommeliers profissionais que lhe servirão os vinhos na ordem e ritmo que desejar, estando sempre disponíveis para lhe descrever qualquer um dos vinhos presentes.

Os lugares são limitados por isso reserve o seu na bilheteira online do evento.

A lista dos vinhos especiais da Sala Premium (por ordem de prova):

Brancos
1 Real Companhia Velha Séries Donzelinho 2016
Uma novidade no mercado. A equipa da Real Companhia Velha a mostrar que pode fazer vinhos inovadores na região do Douro com viticultura e enologia de excepção (de Jorge Moreira). Um mono-varietal raro de Donzelinho, uma das castas mais usadas na produção de vinho do Porto branco.
Douro / n.d.
2-4 Soalheiro Terramatter 2016, 2015, 2014 (Vertical em Magnum)
Luis Cerdeira e a sua equipa em constante inovação com a casta nobre da região de Melgaço, o Alvarinho. Em prova, uma vertical de Soalheiro Terramatter (2016, 2015, 2014) em Magnum a provar que a casta Alvarinho (de Melgaço) envelhece de forma fantástica, mesmo (ou especialmente!) quando vem de uvas de produção biológica e não é filtrado. Um grande Soalheiro!
Monção e Melgaço / 35 €
5 Maria Izabel Vinhas da Princesa 2014 Branco (Magnum)
A Quinta Maria Izabel é um projecto recente mas está a tornar-se rapidamente num caso sério no Douro. A enologia, liderada por Dirk Niepoort, utiliza uvas provenientes de várias vinhas muito velhas no Alto Douro Vinhateiro (Mêda). Fermentação com leveduras indígenas, maturação longa em borras totais (12 meses) e maloláctica parcial começam a trazer, em especial neste Vinhas da Princesa, resultados ao nível dos melhores.
Douro / 114 € (Magnum)
6 Villa Oliveira 1ª Edição Blend 2010-2015
Uma das melhores novidades de 2017. O Villa Oliveira 1ª Edição traz à Sala Premium um blend raro de colheitas de 2010 a 2015 de Villa Oliveira Branco feito por Paulo Nunes, enólogo Casa da Passarella. Um vinho peculiar a mostrar que o blend de colheitas pode resultar em vinhos fantásticos e com enorme capacidade de envelhecimento.
Dão / 50 €
 
7 Covela Escolha 2014 (Double Magnum)
Os brancos da Quinta da Covela são dos melhores resultados da recuperação do projecto da quinta. Este Escolha é um blend de Avesso (uma das apostas da casa), de Chardonnay e outras castas de vinhas localizadas na quinta na margem direita do Douro mas tecnicamente dentro da região dos Vinhos Verdes. A beber com alguns anos e, se possível, em formato XXL.
Vinho Verde / 55 € (Double Magnum)
8 Quinta dos Carvalhais Branco Especial
Assumidamente Especial. Um branco resultante do blend dos vinhos das colheitas de 2004, 2005 e 2006 feito pela enóloga Beatriz Cabral de Almeida. Dono de um carácter único, é também um testemunho da capacidade de envelhecimento dos vinhos brancos da região do Dão. Um dos grandes vinhos brancos de Portugal.
Dão / 36 €



Tintos
9 Herdade do Rocim Terracotta Clay Aged 2015
A tradição romana de produção de vinho em talha de barro está de volta aos produtores do Alentejo, em especial aos da Vidigueira. As uvas são pisadas a pé, em lagar de pedra, com a totalidade dos engaços e apenas com leveduras indígenas. Colocado em talhas durante 16 meses (mais 8 em garrafa). Um blend de Alicante Bouschet, Petit Verdot, Trincadeira e Tannat. Para guardar (se conseguir).
Alentejo / 43 €
10 Maria Izabel Sublime 2015 (Double Magnum)
O vinho mais enigmático desta selecção. Elaborado a partir 4 lotes vinificados em separado com origem entre os 300 e 500 metros de altitude. O primeiro de 50%/50% de Tinta Roriz e Tinta Francisca (400 L no total). O segundo de 70%/30% de Touriga Nacional e Tinto Cão (500 L no total) e finalmente duas barricas de Tinta Roriz (2 x 400 L). Ainda nova mas muito sedoso, envolvente e com muita vivacidade. A prova na Sala Premium vai deixar boas memórias.
Douro / 79 €
11 Villa Oliveira 2014 – 125 Anos de História
Para a celebração dos 125 Anos de História da Casa da Passarella, Paulo Nunes, o enólogo, viajou no tempo para perceber como se fazia vinho há 125 anos no Dão da Casa da Passarella. Feito com 5 castas (Baga, Tinta Carvalha, Jaen, Alvarilhão e Tinta Amarela) esta edição do Villa Oliveira tem um enorme potencial de guarda. Para provar isso mesmo apenas 200 garrafas serão vendidas por ano ao longo da próxima década. Para provar na Sala Premium antes de, como espero, desaparecer rapidamente do mercado.
Dão / 80 €
12 Poeira 2014 (Magnum)
Jorge Moreira é indiscutivelmente um dos melhores enólogos de Portugal. É no Douro, onde trabalha com várias casas (Quinta de La Rosa, Real Companhia Velha) e no seu projecto pessoal (Poeira), que cria alguns dos melhores vinhos de Portugal. O Poeira, hoje umas das referências da região, é feito a partir de uma vinha velha (da quinta comprada em 2001 por sugestão de Dirk Niepoort). Poeira é hoje, merecidamente, um dos mais galardoados e desejados tintos do Douro. Na Sala Premium vamos provar a edição de 2014 em formato Magnum.
Douro / 70 € (Magnum)
 
13 J de José de Sousa 2014 (Magnum)
Na adega José de Sousa ainda são utilizadas algumas técnicas ancestrais de vinificação, sendo a mais emblemática a utilização da talha na fermentação das uvas. O essencial da vinificação em talha pouco mudou nos últimos séculos. Neste processo, as uvas tintas previamente pisadas a pé são desengaçadas à mão numa mesa chamada “mesa de ripanço”. Depois, parte do mosto, das películas e 30% do engaço são fermentados nas talhas de barro. O restante é fermentado em lagares. O uso das talhas confere especiarias e uma terceira dimensão ao vinho. Após a fermentação, o vinho tem uma maceração pelicular de 4 semanas, seguido do qual estagia em cascos de carvalho francês. É um processo artesanal e natural, tanto quanto o vinho que dele resulta.
Alentejo / 100 € (Magnum)
14 Herdade do Peso Ícone 2014 (Magnum)
Uma das melhores novidades de 2017! O Ícone 2014 tem entrada directa na lista dos melhores vinhos do Alentejo. Feito de Alicante Bouschet (96%) e com um apontamento de Syrah (4%) o Ícone é dono de uma frescura rara para a região do Alentejo (mesmo para a Vidigueira). Para guardar ou beber agora com muito (mas mesmo muito) prazer. Um grande trabalho do enólogo Luis Cabral de Almeida. Do Alentejo para a Sala Premium (em Magnum).
Alentejo / 85 € (Magnum)
15 Maria Izabel Vinhas da Princesa 2014 (Magnum)
A Quinta Maria Izabel é projecto nascido do sonho de um empresário brasileiro que se apaixonou pelo Douro e conseguiu convencer Dirk Niepoort a liderar a enologia. Este tinto é feito a partir de um field blend de Vinhas Velhas da Quinta Maria Izabel localizadas entre 300 e 400 metros de altitude e onde se destacam as castas Tinta Amarela e Tinta. O vinho estagia 12 meses num Balseiro de Carvalho Francês com mais de 40 anos de estágio prévio de Cognac. Um enorme tinto com muita vida pela frente, em prova, em Double Magnum, na Sala Premium.
Douro / 159 € (Magnum)
16 Grau Baumé 2014 (Magnum)
O Grau Baumé renasceu em 2014 na Adega do Zimbro, criado em 2008 com um posicionamento de vinhos de autor de pequena escala e qualidade excepcional. Adoptamos este projeto mantendo o seu posicionamento e atribuindo-lhe também um forte caráter experimental. É o vinho que vem das pequenas micro-vinificações bem sucedidas. Este tinto é um blend 2014, colhido antes da chuva, com 24 meses de estágio em barrica de carvalho francês e americano. Muito autêntico, sem adições nem make-up! Da barrica para a garrafa, sem filtros.
Douro / 50 € (Magnum)
17-18 Palácio da Bacalhôa 2014, 2013
A Quinta da Bacalhôa está localizada nas meias-encostas de Azeitão viradas a Norte. Encontra o “terroir” ideal para a produção de excelentes vinhos – solos calcários vermelhos e bem drenados com clima ameno devido à forte influência atlântica. As castas escolhidas no encepamento da Quinta, o Cabernet sauvignon, o Merlot e o Petit Verdot, beneficiam das condições naturais para uma maturação lenta e equilibrada.
Península de Setúbal / 50 €
19 Quinta do Noval 2014 (Magnum)
Intenso e concentrado, com uma boa estrutura tânica, distingue-se pela sua delicadeza, uma característica do estilo da Quinta do Noval. É o resultado de uma seleção rigorosa dos melhores lotes produzidos pela nossa quinta num determinado ano. É delicioso quando bebido jovem, mas vale a pena também guardá-lo em garrafeira para envelhecer..
Douro / 100 € (Magnum)
20-27 Esporão Reserva 2014, 2013, 2012, 2011, 2010, 2009, 2007, 2002 (Vertical)
Uma oportunidade única de provar 8 edições (entre 2002 a 2014) de um dos maiores clássicos do Alentejo. O Esporão Reserva é feito pelo Esporão desde 1985 e dispensa apresentações. Em prova na Sala Premium iremos ter o privilégio de conhecer 8 colheitas diferentes. Para além da qualidade do vinho vamos também poder observar a arte dos rótulos do único vinho em Portugal que reproduz obras originais diferentes nos seus rótulos todos os anos.
Alentejo / 16 €
 
28 Alves de Sousa Abandonado 2013 (Magnum)
Uma vinha velha com mais de 80 anos e várias falhas devido ao abandono durante alguns anos. Apesar de várias tentativas de recuperação apenas as cepas mais velhas eram capaz de resistir às condições extremas do local. Em 2004 Domingos Alves de Sousa vinificou esta vinha separadamente e, ao descobrir o seu carácter único e distinto, decidiu engarrafar em homenagem às igualmente únicas vinhas velhas do Douro. A vinha conta mais com mais de 20 castas autóctones plantadas em “field blend”. A oportunidade de provar um dos melhores tintos do Douro.
Douro / 190 € (Magnum)
29 Grande Rocim 2013
Foi desenhado para ser o melhor vinho da Herdade do Rocim e só é lançado em pequena quantidade e em anos excepcionais. Com enologia de Catarina Vieira e Pedro Ribeiro, o Grande Rocim é feito com 100% de Alicante Bouschet, a casta adoptiva (vem de França) usado em muitos dos melhores vinhos do Alentejo.
Alentejo / 58 €
30 Vale da Mata Reserva 2013
Foi no Vale da Mata que o “Avô Manuel” plantou as suas primeiras vinha como agricultor e que anos mais tarde, em 2003, a enóloga Catarina Vieira decidiu dar continuidade à tradição familiar. Este reserva, é feito das castas Touriga Nacional e Tinta Roriz plantadas na região de Lisboa onde o Oceano Atlântico influencia a frescura e a mineralidade do vinhos ali produzidos. 
Lisboa / 19 €
31 Niepoort Poeirinho Garrafeira 2012 (Double Magnum)
Ainda bem que Dirk Niepoort não sabe estar quieto. Em 2012 comprou a Quinta de Baixo na Bairrada (paixão sua antiga) onde o clima frio e húmido, influenciado pelo Oceano Atlântico, produz uvas com altos níveis de acidez e baixo teor de alcool. Entretanto com a primeira edição do Poeirinho 2012, Dirk Niepoort resolveu deixar de parte 2 tonéis para um estágio mais prolongado, com o intuito de criar um Garrafeira da Bairrada. O vinho manteve sempre uma enorme frescura e o longo estágio permitiu que ganhasse mais complexidade e estrutura. O Poeirinho Garrafeira 2012 provém de várias parcelas muito velhas, algumas das quais centenárias. Em prova mais do que merecida (e rara em Double Magnum) na Sala Premium.
Bairrada / 180 € (Double Magnum)
32-33 Cortes de Cima Incógnito 2012, 2002 (Vertical em Magnum)
Uma mini-vertical rara (e em Magnum!) de um dos maiores ícones do Alentejo. Em 1991, Hans e Carrie Jorgensen foram os primeiros produtores a plantar Syrah no Alentejo (nas Cortes de Cima) e a mudar a história da casta na região. Syrah não era, à época, uma casta permitida no Alentejo e, assim, surgiu o nome para o Incógnito e uma nova tendência na produção desta casta. Uma década separa as duas edições que estarão em prova na Sala premium. Imperdível.
Alentejo / 150 € (Magnum)

 
34 Quinta do Vesuvio 2012 (Magnum)
A Quinta do Vesuvio é uma das propriedades mais bonitas e emblemáticas da região do Douro. Adquirida pela familia Symington em 1989 pela indiscutível qualidade das suas uvas, a Quinta do Vesuvio tem um terroir único compostos por diferentes altitudes (até aos 500 metros) e distintos micro-climas. É essa mesma a riqueza que temos oportunidade de provar neste fantástico Quinta dos Vesuvio 2012, um blend de Touriga Nacional (75%) e Touriga Franca (25%). 
Douro / 130 € (Magnum)
 
35-38 Quinta dos Murças Reserva 2012, 2011, 2009, 2008 (Vertical em Magnum)
Em 2008 o Esporão comprou a Quinta dos Murças no Douro e deu início a um processo de recuperação da quinta respeitando o seu ecosistema. A quinta tem hoje 300.000 videiras (plantadas entre os 110 e 300 metros de altitude), 6.000 pés de oliveiras, um pomar com 800 laranjeiras, tangerineiras, limoeiros e outras árvores de fruto, e ainda cerca de 88ha de área florestal classificada. Desde 2016 que toda a quinta está em Modo de Produção Biológica sob orientação do responsável de enologia José Luís Moreira da Silva. Este Quinta dos Murças Reserva nasce nas vinhas mais velhas da Quinta (entre 150m e 280m de altitude), com exposição a Oeste. É a versão clássica dos vinhos da quinta.
Douro / 23 € (Magnum)
39 Niepoort Charme 2010 (Double Magnum)
A delicadeza do Douro engarrafada. É nos contrastes que o Charme (e Dirk Niepoort, já agora) se definem. Charme é tudo o que o Douro nunca poderia ser (diziam por aí). Inspirado pelos vinhos da região da Borgonha, Dirk Niepoort quis fazer um vinho com a elegância e a delicadeza numa região onde esses vinhos não existiam. Dirk não só conseguiu fazer um vinho com charme  como criou um dos mais fantásticos vinhos do Douro e um dos melhores de Portugal. Pura poesia engarrafada para beber como quem se perde num poema. Uma prova muito rara em Double Magnum na Sala Premium.
Douro / 350 € (Double Magnum)
40-42 Quinta do Sagrado Vinhas Velhas 2010, 2009, 2008 (Vertical em Double Magnum)
Algumas das vinhas mais velhas da região do Douro são plantações conjuntas de diferentes castas conhecidas por “field blends”. É deste tipo de vinhas Velhas, que podem incluir mais de 50 castas diferentes entre tintas e brancas, que estes Quinta do Sagrado Vinhas Velhas são feitos. Na Sala Premium de Lisboa vamos comprovar a qualidade da evolução destes vinhos numa mini-vertical de Vinhas Velhas em garrafas Double Magnum (3L) das edições de 2008, 2009 e 2010. 
Douro / 96 € (Double Magnum)
 
43 Pó de Poeira 2009 (Magnum)
O Pó de Poeira é o irmão mais novo do Poeira (ver acima). É feito a partir de vinhas mais novas da mesma encosta das vinhas do Poeira e tem um carácter mais leve e descontraído. Na Sala Premium vamos provar a edição de 2009 em formato Magnum para mostrar a enorme qualidade e frescura que um vinho de pouco mais de dez euros (custa 13€ actualmente) pode ter ao fim de 8 anos.
Douro / 35 € (Magnum)
 
44-45 Quinta do Sagrado VT 2009, 2008 (Vertical em Double Magnum)
Com enologia de José Maria Calém, os VT da Quinta do Sagrado são reconhecidos como dos tintos que melhor evoluiram em garrafa nos últimos 10 anos na região do Douro. Quem foi à Sala Premium do Adegga WineMarket no Porto teve oportunidade de comprovar a qualidade e a frescura impressionante destes vinhos. Na Sala Premium de Lisboa vamos provar uma mini-vertical em garrafas Double Magnum (3L) das edições de 2008 e 2009.
Douro / 80 € (Double Magnum)
46 Quinta do Sobreiró Vinhas de Rio Torto 2007
Um tinto de Trás-os-Montes a mostrar a capacidade envelhecimento dos vinhos da região. O blend, de uma vinha única – a Vinha de Rio Torto – é composto por Touriga Nacional (50%), Alicante Bouschet (35%) e Trincadeira (15%). Ao estágio em barricas de carvalho francês durante 24 meses, seguiu-se o estágio prolongado em garrafa durante 6 anos.
Trás-os-Montes / 17 €
47 Covela Reserva 2007
Uma novidade no mercado. Há apenas 2000 garrafas no mercado e tenho a certeza que esgotará muito rapidamente. As vinhas que deram origem a este vinho já não existem. Com muita pena minha porque é um dos melhores tintos que provei este ano. Esteve guardado à espera de estar forma perfeita para ser lançado. Um blend de Touriga Nacional e Cabernet Sauvignon da margem direita do Rio Douro (e a fazer lembrar os vinhos de Bordéus no estilo). As garrafas que estarão na Sala Premium são uma das últimas oportunidades de provar este vinho. Vinho Verde / 27 €
48 Mouchão 2007 (Magnum)
É o vinho mais emblemático da Herdade do Mouchão. É desenhado com base na casta Alicante Bouschet, que encontrou na Herdade do Mouchão um “terroir” de eleição e que lhe confere um carácter único. O loteamento desta casta complementado com Trincadeira conferem-lhe um maior exotismo e elegância. Após fermentação em lagares o vinho estagia 24 meses em tonéis de 5,000 litros de carvalho português, macacaúba e mogno, e depois mais 24 a 36 meses em garrafa. O vinho Mouchão apresenta uma cor profunda, concentrada, um carácter especiado e a sua estrutura de taninos única potencia um longo envelhecimento em garrafa.
Alentejo / 125 €
49 Quinta do Sobreiró Reserva da Familia 2004
Mais um tinto de Trás-os-Montes a mostrar a capacidade envelhecimento dos vinhos da região. De entre os melhores vinhos de cada vindima foram seleccionadas as melhores barricas para o ‘Reserva da Família’, sendo depois submetido a um estágio prolongado em garrafa. Um blend de Touriga Nacional (50%), Trincadeira (35%) e Bastardo (15%).
Trás-os-Montes / 35 €
50 Mouchão Colheitas Antigas 2003 (Double Magnum)
Este vinho traduz o enorme pontencial de longevidade e carácter único dos vinhos da Herdade do Mouchão. De cada colheita do vinho Mouchão reserva-se um pequeno lote de garrafas, conservadas em ambiente climatizado, para serem lançadas no mercado 10 anos após o seu ano de colheita. O vinho Mouchão Colheitas Antigas evidencia toda a estrutura, exuberância e elegância que os vinhos Mouchão preservam ao longo dos anos.
Alentejo / 300 €
Vinho do Porto, Madeira e Moscatel
51 Quinta do Noval Vintage 2011
O Vintage Quinta do Noval caracteriza-se pela sua pureza de fruto e uma qualidade fina e delicada, que é típica dos vinhos da propriedade em geral, mas que encontra a sua mais notável e duradoura expressão nos Portos Vintage. Equilíbrio, harmonia, delicadeza e elegância são características dos nossos Vinhos do Porto Vintage, que são declarados apenas em anos excepcionais (3 ou 4 anos em cada década) e somente quando os vinhos alcançam o padrão rigoroso da Noval.
Porto / 175 €

52 Quinta do Vesuvio Vintage Port 2000 (Double Magnum)
A Quinta do Vesuvio é uma das propriedades mais bonitas e emblemáticas da região do Douro. Em  1989, a Quinta do Vesuvio foi adquirida adquirida pela familia Symington pela qualidade das suas uvas, que seriam utilizadas para os famosos Vinhos do Porto Vintage da familia. Ao descobrir o carácter único da Quinta do Vesuvio, a familia decidiu então engarrafar os próprios vinhos da quinta como este Vintage. Uma prova rara de garrafa Double Magnum de um ano clássico de um dos melhores Vintage Ports. Imperdível.
Porto / 400 € (Magnum)

 
53 Niepoort Colheita 1997 (Magnum)
Os Colheita são Portos Tawny de um único ano, envelhecidos em casco por um período mínimo de sete anos antes de serem engarrafados. Na Niepoort, os Colheitas são engarrafados, no mínimo com 10 anos de estágio. Um Porto Colheita com 20 anos para provar em Magnum na Sala Premium.  
Porto / 110 € (Magnum)
54 Blandy’s Terrantez 1980 (Magnum)

Madeira / 230 €
55 Porto Ferreira Vintage 1978 (Magnum)
O ano de 1978 não é um ano particularmente memorável no Vinho do Porto (para muita pena minha que nasci nesse ano) mas este Ferreira Vintage é um dos raros bons exemplos de que é possível fazer um bom Vintage mesmo em anos menos favoráveis. Um Porto Vintage com 39 anos, muito bem conservados, em prova em Magnum na Sala Premium.
Porto
 
56 Dow’s Vintage 1975 (Magnum)
Há mais de 200 anos que o nome Dow está associado a alguns dos melhores Vinhos do Porto do Douro Superior. Os Dow’s Vintage são produzidos apenas em anos de alta qualidade e em pequena quantidade contribuindo para uma das melhores reputações para uma casa de vinho do Porto. Em prova na Sala Premium estará um Porto Vintage com 42 anos em formato Magnum (onde está há guardado há quase 40 anos). Uma rara oportunidade de provar um Vintage de uma das melhores casas.
Douro / n.d.
 
57 Cossart Gordon Vintage Verdelho 1975
Não é por acaso que alguns dos melhores vinhos do Mundo (sim, leu bem) são vinhos da Madeira. A capacidade de envelhecimento e o prazer que estes vinhos conseguem proporcionar são inigualáveis por qualquer outro tipo de vinho (a par, claro, do vinho do Porto e do Moscatel de Setúbal). Este Vintage Verdelho 1975 é um vinho raro. Foi engarrafado em 2004 após 29 anos de envelhecimento em cascos de carvalho Americano no sistema tradicional de Canteiro. Os cascos foram gradualmente sendo transferidos dos andares de topo da adega (naturalmente mais quentes) para os andares intermédios e finalmente para o rés-do-chão onde é mais fresco. Este Verdelho 1975, com 42 anos, é um dos melhores vinhos que poderão provar este ano na Sala premium.
Madeira / 335 €
 
58 Graham’s 30 Anos (Jeroboam)
É pelo domínio irrepreensível de várias artes, como o blending, a tanoaria ou o envelhecimento, e muita dedicação que nos é possível hoje provar um dos melhores exemplos do que o tempo juntamente com o conhecimento do homem pode fazer. Com uma idade média de 30 anos, houve muito tempo para todos as componentes deste Tawny se integrarem e desenvolverem uma incrível complexidade. Um verdadeiro luxo de prova em formato Jeroboam. 4,5 litros (!) de puro prazer. 
Porto / 650 € (Jeroboam)
59 Royal Oporto 40 Anos
O Royal Oporto 40 Anos é proveniente de um lote de diferentes Vinhos do Porto, rigorosamente seleccionados e envelhecidos nos melhores cascos de carvalho, que apresenta um carácter e uma idade média correspondente à designação 40 anos. Um Vinho do Porto Velho, muito fino, licoroso e extremamente complexo que a Real Companhia Velha define como um Porto “envelhecido até à perfeição” e com uma harmonia que encanta os sentidos.
Porto / 70 €
60 JMF Moscatel de Setúbal Roxo 20 Anos
O Setúbal Roxo 20 Anos é um vinho de sobremesa produzido na Região de Setúbal, que foi reconhecida como região demarcada em 1907. Esta casta encontra-se em extinção, existindo apenas uma pequena vinha em Azeitão. Trata-se de uma uva roxa, que contém um aroma intenso a especiarias e um paladar concentrado e muito frutado. Este vinho é um lote de 4 colheitas, em que a colheita mais nova tem 23 anos e, a mais antiga 80 anos. O estágio é feito em madeira usada, visto que o que nos interessa é a oxidação daqui resultante e não o aroma a madeira.
Península de Setúbal / 99 €

PVP aproximados por garrafa de 75cl, Magnum (1,5 L), Double Magnum (3 L) ou Jeroboam (4,5 L) 

Um prova única!
Bilhete Sala Premium: 50 €
(inclui entrada no Adegga WineMarket).
Lugares limitados.

Comprar Bilhetes

Receber as novidades do Adegga